Manaus

Polícia| “Violência fora de controle” – Frentista é amarrado e espancado no próprio local de trabalho após ser confundido com ladrão, na Zona Leste de Manaus.


Manaus-AM, 09 de Maio de 2019.

 

O caso aconteceu na última segunda-feira (06), em um posto de combustíveis localizado na Rua José Romão, Bairro São José, Zona Leste de Manaus; a vítima que não autorizou a divulgação do nome procurou as autoridades policiais para relatar que foi amarrado, agredido e mantido em carcere por funcionários da mesma empresa, por ter sido acusado pelo proprietário de praticar roubos no local de trabalho.

Após a sessão de tortura, os agressores reconhecerem que a vítima não tinha nenhum envolvimento com a suposta acusação de roubo e simplesmente pediram “desculpas”; o proprietário da empresa ainda teria também  pedido desculpas e orientou o funcionário a esquecer do ocorrido e retornasse a suas atividades normalmente.

“Eles começaram a ver meu celular sem minha permissão. Comprei o celular na OLX. Lá eles encontraram mensagens e nelas eles achavam que eu tinha envolvimento. Falavam que a mensagem estava ‘muito estranha’. Eu disse que não tinha envolvimento nenhum e nunca havia sido preso; ele (o proprietário)  me chamou pra cozinha. Estava sozinho e depois chegou os caras. Um deles estava encapuzado na hora da agressão. Botou a algema no meu pulso e começou a molhar uma toalha e botar na minha cara para me sufocar. Eles diziam ‘agora tu vai falar onde está o dinheiro’. Eu respondia que não sabia onde estava o dinheiro. Ele jogava água em cima da toalha e teve um deles que pisou bem forte em mim. Toda hora eu pedia para ele me soltar porque ele estava fazendo isso com um pai de família; toda hora eu chamando o patrão pra eles me soltarem. Ele não falava nada. Falava apenas ‘Átila, agora é contigo’. Tinha uma hora que ele (o agressor) dizia que ia me dar um descanso pra eu lembrar onde estava o dinheiro. Ele dizia que tinha 7 etapas e que estava na 2ª. Eu pensava que ele ia me matar mesmo”, disse a vítima.

Após duas longas horas de intensa tortura os agressores constataram que se tratava da pessoa errada e resolveram solta-lo como se nada tivesse acontecido; “Ele (patrão) me deu uma farda nova, mandou eu me vestir, fechar meu caixa e ir embora pra minha casa e que eu voltasse a trabalhar no dia seguinte. Disse que não era pra falar pra ninguém e que estava resolvendo isso nas dependências da empresa; quero ser demitido com o que tiver direito. Sempre fui trabalhador e nunca passei por esse tipo de constrangimento. A minha maior preocupação agora é desses caras voltarem lá em casa e fazer alguma coisa comigo e a minha esposa”, relatou a vítima.

A vítima realizou todos os exames necessários e registrou o fato no 9° Distrito Integrado de Polícia (DIP); a Polícia Civil informou que está verificando se houve realmente a participação de servidores do órgão nas agressões e um inquérito policial sera aberto para dar continuidade no caso.


Fonte: A Critica

Imagem: Junio Matos

Redação: Fabrício Alexandre – Isso é Amazonas